quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Há uma razão para uma mosca nos cair na sopa

Sou acometido poucas vezes pela ideia de que os segredos do Universo me foram já todos manifestados.

Não que os entenda, entenda-se. Mas acabo por acreditar que de uma forma ou de outra já vi a matéria-prima com que tudo se compõe. A maioria das conversas soa-me por isso a déjà vu. As politiqueiras, as crises económicas, as lástimas sociais, a namorada do amigo, o preço da gasolina. Até por isso já não uso a memória com a intensidade com que costumava abusar dela. Não esqueço os nomes nem os factos por questões de senilidade. Esqueço-os porque me são meros plágios retirados de coisas mais antigas; pessoas que se repetem, com ligeiras diferenças fisionómicas; factos que nunca terão o impacto da primeira vez que os vi desenrolarem-se aos meus olhos.

Algumas recordações menos recentes ficaram-me como princípios fundamentais.

Hoje apraz-me recordar uma, pela estranheza que me causa sempre que me lembro da coisa.

Tive um amigo, em tempos, que cultivava a filosofia oriental com um rigor e um saber invulgares. Passámos horas a contrapor a racionalidade das minhas questões ocidentais com os pressupostos epistemológicos daquelas sociedades longínquas.

Nem posso esquecer o momento em que me salvou a vida, naquele dia aziago em que me encontrava a comer uma suculenta bifana cheia de mostarda num snack bar à esquina da estação do Rossio, batida com uma imperial bem tirada - ai, que lhe sinto o gosto... - e o vejo entrar alarmadíssimo pela porta dentro, agarra-se-me ao braço e me pergunta com aquele olhar inquieto, que diabo estava eu a fazer, a suicidar-me daquela maneira, arrastando-me porta fora para me ir atafulhar de pastéis macrobióticos para o Celeiro, ali a poucos passos.

Pois um dia caminhávamos à sombra de umas nogueiras em Sintra, onde ele tinha uma pequena fábrica de pickles biológicos (que eu nem sabia que havia outros) e íamos apanhando nozes, e discutindo as habituais dialécticas do conhecimento humano. A certo ponto quebrei uma noz já habitada... Mau... Ele fitou-me e esclareceu-me que aquilo seria a prova cabal de que a partir daquele momento o meu organismo já não necessitava de mais nozes... Se necessitasse, por estranha premonição, teria sido capaz de escolher outra sem bicho... Pois... Ah! E mostrou-me como o organismo dele continuava a seleccionar as imaculadas com que se ia empanturrando.

De facto penso muitas vezes nessa minha incapacidade, de pré-seleccionar as coisas boas, de forma a não sofrer desapontamentos, talvez por já ter tido benesses em excesso e não precisar de mais nenhuma.

E posso até esquecer nomes e factos, não por senilidade, mas porque me são meros plágios de coisas antigas.

Sempre que me cai uma mosca na sopa, porém, fico a pensar que há uma razão para isso.

Talvez seja o único segredo do Universo que ainda não me foi revelado.



© CybeRider - 2009

32 comentários:

pepita chocolate disse...

Quando uma mosca me cai na sopa, de momento, até sou capaz de não conseguir engolir mais uma colherada.
Se me esqueço da mosca na sopa e tento comer nova sopa, noutro dia, noutro momento mas no mesmo restaurante? Talvez não...

Mas se uma mosca cair nesta caldeirada que é a vida, sei que deveria ser acometida de um lembrete, uma sineta, que a mosca já me estragou a sopa uma vez. Mas não, dou oportunidade- talvez mias que uma - de a sopa voltar a ficar no prato. Porque me estragaram a refeição, me amargaram a vida. Talvez dê demasiadas oportunidades, para as moscas cairem demasiadas vezes no meu caldo. Até um dia o caldo entornar, depois de sair de cada uma das vezes, de coração partido.
O que uma mosca pode fazer na sopa (da vida)!

Beijinho!

MorTo Vivo disse...

Continuas em grande.

Quando puderes passa lá na tasca que tens lá um mimo.

Mente Quase Perigosa disse...

Como eu gostaria de saber interpretar os sinais, também, meu querido amigo.

Mas talvez seja essa a piada da vida. Ou talvez seja apenas um sinal do sentido de humor doentio do universo.

Caçador disse...

Se a sopa tem bicho, é porque não precisas de comer mais sopa... e seguindo esta ordem de ideias, cada vez que encontras um bicho - real ou metafórico, no teu caminho ou em qualquer actividade ou projecto que tenhas em mãos ou em que te vais meter - significa isso que o teu organismo ou intelecto, já não necessita dessas nozes ou o que seja... O que nuns casos até me parece bastante adequado, pois claro para quê repetir erros em redundância, mas noutros enfim... se uma sardinha está moída, fora com ela e come-se outra, não se estraga a sardinhada...

O que é que os segredos do Universo te dizem sobre sardinhadas?...

Mário Rodrigues disse...

Oh meu caro Cybe, como eu te invejo… Assim sendo, penso que por necessidade, os frutos pego-os e devoro-os… É possível que tenha engolido, deleitado, vários bichos! No entanto, deparo-me sem grande preocupação em relação a isso! Para além disso, as capacidades da nossa memória… são prodigiosas e extraordinárias! E teimamos em dar importância a coisas que a não têm…
(Há mais uns segredinhos do universo, que ainda te não foram revelados, descansa…)

O tal abraço

CybeRider disse...

Olá Pepita,
De facto não é agradável cair-nos um insecto no prato, mas afinal de contas talvez o restaurante não tenha culpa. No meu caso chamarei o funcionário e explico-lhe o meu problema, se ele se prontificar a trazer-me outra sopa (enquanto a minha fica a aguardar à minha frente - não... Brincas!) concerteza que não deixo por isso de voltar ao estabelecimento, mas se porventura ele me levar a sopa e a trouxer (ou pretensamente outra) de volta, não só não a como como sou capaz de... Enfim...

Afinal parece que mesmo a tal pequena mosquinha pode ter efeitos devastadores. Haverá assim uma razão, de facto, para ela me cair na sopa, e daí a grandeza do Universo, e desse segredo que não domino.

Já as da caldeirada que me arranjaste (brincadeirinha...), é mais provável que nos tenha sido atirada do que propriamente tenha "caído" se é que me entendes... E aí a coisa complica-se muito, porque já não é um caso fortuito, porque estes resolvem-se bem.

Beijinho!

CybeRider disse...

Olá MV! Há que tempos que não te via, pá!

Olha, agradeço-te a consideração. Já disse aqui várias vezes que as vossas visitas (e as minhas aos vossos sítios, onde tenho sido tão bem recebido, independentemente de opiniões) são os prémios que verdadeiramente aprecio.

Não tenho por aqui decorações.

Mas guardo-te entre os mais distintos como sabes. E aprecio a reciprocidade que colocas neste gesto. Já lá tinha deixado o agradecimento, que reforço aqui.

(Vocês querem estragar-me com mimos, pá?)

:)))

CybeRider disse...

Mente, sem dúvida que essa será a pimenta que tempera a vida. Ao fim de alguns anos a tentar entender o fundamento das coisas, acabamos por apreciar mais o imprevisível. As coisas previsíveis adormecem-nos. Por vezes uma simples mosca explica-nos toda a energia que o gato coloca em persegui-la.

CybeRider disse...

Caçador, de facto não transparece do que escrevi a necessidade de reavaliar as nossas necessidades a cada instante. A noz que recusamos agora, terá que ser substituída por outra sã quando o nosso organismo o requeira. Temos que estar atentos. A tal sardinha que poderia estragar a sardinhada está afinal cheia de potencial contido. A interpretação dos sinais depende não só do agente em relação à acção, mas também varia relativamente à intensidade que essa acção provoca no agente.

Assim, e isto aprendi muito posteriormente à história que relatei, se a mim a tal noz ocupada me indicava que o meu organismo já não precisava de mais nozes, para outros quereria apenas dizer que além da noz -aquela mesma noz com bicho- deveriam partir para o bife de vaca (porque de proteína animal estamos a falar).

A magia deste jogo é que as peças são valorizadas em relação a cada jogador.

Ainda bem que perguntas! A sardinhada, segundo os cânones principais do Universo, são aqueles momentos em que os bichos que devoramos alimentam a amizade que estava faminta. E com um tintol à maneira... Nem te conto, que já sabes!

CybeRider disse...

Mário, não será por mero acaso que a fruta comida do pomar à noite terá outro sabor. :)))

Aliás estou absolutamente seguro de que uma parte importante da nossa alimentação, para surpresa de muitos, são afinal os insectos. Moídos pelas trituradoras de farinhas, componentes alimentares, químicos, sumos, cereais...

Seria surpreendente para a maioria das pessoas se se avaliasse a quantidade de partículas absolutamente imundas que nos entram em plenos pulmões diáriamente.

Por isso me surpreendem os extremos a que alguns chegam para não se infectarem com o meio ambiente... Olhos que não vêem...

Não são os insectos que comermos que nos matam, mais facilmente morreremos de sonhar com eles.

Da memória, essa maldição que nos atormenta, mas que idolatramos, talvez fale um dia.

Quanto aos segredos que ainda me faltam, talvez estejam aquém do mistério que nos faz cair a tal mosca na sopa, decerto com um fundamento.

O tal abraço Mário!

Gemini disse...

Exposição! Diria apenas que "quem anda à chuva, molha-se".

E que bem que sabe, de quando em vez, levar com uma escardossada! O sal da vida, a possibilidade, a hipótese tão motivante de realizar um sonho, que nos torna os dias tão interessantes. Que justificam tantos amanheceres! Ainda que no fim, "realizemos o pesadelo"...

Quando registares algo passível da tal critica (a negativa, eheh), cá estarei!

"O" abraço, Cybe!

CybeRider disse...

Não deixaremos de ter de saber interpretar os sinais Gemini, temos de saber se a chuva nos molha porque temos sede, ou se nos tenta enfiar em casa para nossa protecção. Sem lhe conhecermos os motivos, como poderemos tomar a atitude correcta?

Ou será uma manifestação do caos?

Mas com o exemplo da mosca a situação é mais séria ainda, porque há a vida do insecto que se perde num acidente de culinária...

Tem de haver uma razão para isso.


"O" abraço, Gemini. :)

Nirvana disse...

Cybe

Podia cair-me uma mosca gigante no trabalho... ai podia, podia, para eu ter mais tempo para as coisas de que gosto como, por exemplo, ler os teus textos.

Memória, memória... ando um pouco zangada com ela ultimamente. Talvez seja por isso que cada vez desconheça mais os segredos do Universo, muito menos tentar entendê-los. Mas talvez seja isso que nos impulsiona a seguir em frente e tentar entender um pouco.

Sempre fui grande apreciadora de alguns aspectos da cultura oriental, embora não chegue aos "rigores" do teu amigo.

A noz habitada ser sinal de que não precisarias de mais nozes... não é verdade que às vezes há pequenos grandes sinais que nos alertam e fazemos de conta que não vemos? Outras vezes não os vemos mesmo, mas, ao olhar para trás conseguimos identificá-los todos, um a um.

A mosca na sopa... bem, claro que não comeria a sopa. Nem pediria outra no momento. Mas, se tivesse muita fome... se calhar tirava a mosca discretamente e continuava, com receio que não houvesse mais sopa. Se tivesse muita, muita, muita, muita fome, se calhar até agradecia o brinde e ia mosca e tudo.
Acho que a visão que temos das moscas da vida também dependem do que "temos" no momento em que nos deparamos com elas, e do que necessitamos.

Nada acontece por acaso, dizem... ou tudo acontece por um acaso.

Beijinhos

Cybe, Cybe... não procures desculpas para não comer a sopa. A mosca na sopa não precisa ser necessriamente um sinal de que não precisas de mais sopa. Pode ser sinal que precisas de reforçar a sopa ;))

CybeRider disse...

Olá Nirvana,
Acho que o problema do trabalho é mais o de termos que pôr a mosca na beira do prato para continuarmos a comer a coisa mesmo assim.

Relativamente à memória, pois... Já lá vi que andas a reclamar com ela. Talvez seja a tal falta dos imprevistos, que nos ajudem a mantê-la.

A filosofia oriental é muito complexa face ao racionalismo com que alguns de nós tendemos a olhar para as coisas. Há muito para além do Yin-Yang. Creio que existe uma maior relativização e subjectividade, até por isso concordo em absoluto que o bicho da fruta seja encarado de diferentes formas, o que significa, como dizes, que a solução será analisada em função da necessidade do sujeito (por alguma razão eles têm uma predilecção gastronómica por coisas que abominamos).

"Uma mosca sem valor, pousa com a mesma alegria, na careca de um doutor, como em qualquer porcaria"

O António Aleixo definia desta forma simples e sábia esse acaso de que falamos.

Mas será por acaso?...

Beijinhos

mfc disse...

A mim nenhum segredo me foi revelado... senão deixaria de ser segredo!!!

CybeRider disse...

Pois... De facto...

Ó mfc, mas espero que não estejas a insinuar que és assim como um poço...

:)))

Soraia Silva disse...

julgaste conhecedor de quase todos os segredos do Universo, mas acredita meu amigo, que nem metade dos segredos sabes...
podes ja ter vivido muito, mas os segredos do Universo jamais acabarao, e nao te adiantadva quereres viver mais do que desejas, porque por 100, 1000 ou 10000 anos de historia de vida, conseguirias descobrir todos esses segredos!
é incrivel nao é? :P a vida tem muitos mais misterios do que julgamos!!!

quando à mosca...
se me cai uma na sopa, jamais serei capaz de acabar de comer esse prato de sopa. se voltar ao mesmo restaurante, insisto para mim mesma que nao comerei outra, mas de passado outros dias volto ao mesmo restaurante, e peço uma sopa, verifico cada bocadinho da sopa antes de meter na boca.
isto para nao falar do "nojo" que tenho das moscas (talvez por tambem saber das suas andanças :S)
oh, as moscas nao so caem na sopa, por vezes tambem nos sentimos "assombrados" por moscas (humanas)...
afastemos tudo o que é bicho, pois, desses nós nao necessitamos!!!


sao poucas as coisas em que fico a pensar no porquê de ter acontecido e uma delas sao os sonhos (talvez um dos unicos assuntos que em fico mesmo a refletir permanentemente).
ainda nao consegui perceber o porquê de termos sonhado exactamente duas vezes o mesmo sonho! mesmo sendo num curto espaço de noites ou longo, o sonho é exactamente igual.
o que por incrivel que pareça, lembramo-nos bem do sonho (em lembro quando é repetido), parece que nos é conhecido mas que nao conhecemos mesmo, nunca passamos por lá, nunca vivemos o que sonhamos etc etc!!!
tens conhecimento do porquê disso acontecer?
é uma das coisas que gostava memso de perceber.

(às tantas tenho mesmo razao, pois teremos vivido ja outra vida antes da que temos, e viveremos outra depois da que temos. à tantas sao passagens de imagens de uma outra vida!)

beijinho Cybe :)

CybeRider disse...

Olá Soraia,
o Universo será asim tão complicado? Conterá assim tantos segredos? Ou será a nossa natureza que tende a complicar as coisas?

Se de facto houver uma razão para cada coisa, então haverá uma razão para a tal mosca cair na nossa sopa. E não estou a falar de mosca nenhuma que já venha lá dentro, estou a falar daquela que nos cai na sopa quando a sopa já é nossa, quando já temos tudo prontinho e vamos para a comer.

E afinal as moscas não andam por nenhum sítio onde a gente não vá também. Nós é que criamos essas diferenças, não é o Universo. Assim, como os sonhos, que não me parecem segredos de nenhum universo, são antes criações nossas, de cada indivíduo.

Esse conceito de "vida para além da vida", que não tenho, explica o ganha-pão de muita gente... (Não à minha custa). Mas seguramente também é mais nosso que universal.

O mais natural é que tenhamos um outro universo dentro de cada uma das nossas cabeças. Talvez o nosso Universo seja também, afinal, o pensamento de alguém. Talvez nalgum planeta por descobrir num átomo do nosso cérebro alguém esteja igualmente a trocar ideias como estas. Ou alguém esteja simplesmente a olhar para uma mosca que lhe caíu na sopa...

Beijinho Soraia

Soraia Silva disse...

Nao existe razoes para tudo, mas que existe para algumas, isso existe.

porque é que caimos ao chao? porque é que calcamos uma folha caida (pensamos nós que está caida) no chao? que tambem essa folha pode estar a servir de abrigo para uma formiga por exemplo!!??
calcamos porque acontece, caimos porque houve um desequilibrio, porque fomos contra alguma coisa, porque pusemos um pé "em falso".
para isso nao há qualquer razao e ao pensarmos isto, saberemos porque razao a mosca caiu na sopa, na nossa sopa que estava pronta a ser comida.


"E afinal as moscas não andam por nenhum sítio onde a gente não vá também. Nós é que criamos essas diferenças..." hein?? tens a certeza disso?
desculpa lá o palavriado que vou usar sim? espero que nao seja um motivo para me achares mal educada :P
ha uma grande diferença...
as moscas cagam e navegam pela porcaria que fizeram.
nós cagamos, mas nao mexemos na porcaria que fizemos. e quem vem logo atras da porcaria quem é? as moscas!!!
um animal morre, ja todo desfeito e quem é que momentos a seguir está a rodear o animal morto? as moscas...
duvido que ja tenhas visto um ser humano a tocar em porcarias como essas!!!

se os sonhos fossem criaçoes nossas, poderiamos impedir choros durante a noite, berros repentinos e assustados depois de um sonho, sonhos imperfeitos, sonhos maus etc.
se fosse criaçao nossa, sonhariamos com algo muito melhor.

"O mais natural é que tenhamos um outro universo dentro de cada uma das nossas cabeças..."
se nem neste universo, que supostamente é de todos, sabemos viver, quanto mais ter dois universos :P

beijinho CybeRider

calamity jane disse...

Assim de repente fiquei cá com uma vontade de comer sardinhas!..

CybeRider disse...

Que bem sabe estar com os amigos CJ... Como te compreendo!

:)

CybeRider disse...

Olá Soraia,
Desculpa a demora, mas o teu texto demorou-me um cadito... :)

Afinal tu afirmas sem receio que o acaso acontece "por acaso". Que não é uma invenção nossa... Isso seria a prova cabal da imperfeição do Universo. E se uma coisa acontece por acaso, então isso significaria que tudo aconteceria por acaso, porque qualquer acaso poderia evitar que alguma coisa orientada pudesse acontecer...

(Podes usar sempre as palavras que quiseres, acho que não conseguirás dizer muitas que eu não tenha já ouvido... É um bocado assim como os segredos do Universo...).

Então vejamos... Tu ainda não leste estudos sobre a quantidade de matéria fecal existente na água de uma piscina, ou nos reservatórios de água potável, mas eles existem, e têm limites considerados... Ou sobre a capacidade da água do mar "resolver" a urina e outros materiais que lá são depositados em larga escala diariamente, no entanto... E não vês as pessoas a nadar no Ganges... E tens absoluta certeza que tudo o que comes é saudável e foi tratado com todos os preceitos de sanidade. Talvez só comas o que cultives, mesmo assim não sabes por onde andou a água que alimenta os teus vegetais... Se pensares que a água potável do planeta não se cria nem desaparece, talvez possas começar a pensar por onde passou, em milénios, toda a água que consomes num dia... Pois é... E falas-me das moscas...

Não te esqueças, que todos (vá a maioria, porque pode haver gente esquisita...) os animais de que nos alimentamos estão mortos também. As moscas só se alimentam com um gosto menos exigente.

Mas apesar de tudo o que me preocupa não é a porcaria que me mói, é mais a que me mata. Já vi muita porcaria que me faria "gregoriar" até à exaustão, mas há muita porcaria que nem se vê que tem sobre nós efeitos piores.

Se pudessemos controlar tudo o que criamos... Os sonhos não controlas porque dormes, mas ao acordares dás conta deles, logo...

Mas longe de mim tentar convencer-te. Mas gostava de ter uma visão das coisas com essa pureza com que as vês.

Beijinho Soraia :)

Soraia Silva disse...

meu amigo, meu amigo...
tu no fundo no fundo bem queres que tenha a mesma visao que tu!!!

posso nao ler muita coisa, posso nao saber muita coisa, mas tenho ideias daquilo que vejo.


tu achas mesmo que eu nao sei que aquilo que eu como (o que supostamente nao vemos) pode ter sido feito à "labajao"??
uma cozinheira menos higienica, que coça a cabeça e enrola a massa da pizza, que coça o nariz e logo a seguir vai meter os ingredientes e eu depois da pizza prontinha comer toda consolada... achas que eu nao sei que nao estou livre que isso me aconteça sem que eu me aperceba???
julgas que eu nao sei que posso estar a nadar numa piscina à qual mais de metade do pessoal que passou por la, lançou gases ou urinou? que no mar onde nado toda descontraida, onde ja passou mil e uma porcaria... eu sei tudo isso, mas fazemos as coisas, comemos essas coisas, inconscientemente...

ora, todos nós esquecemos que os animais têm a sua vida, tal como nós temos, eles tambem têm, mas à sua maneira. quem me garante a mim que as moscas nao fazem isso conscientemente? afinal eles têm um mundo, o deles!!!

os sonhos...
tu dizes que sao criaçoes nossas, e dizes que nao controlamos porque estamos a dormir...como é que afinal a dormir, conseguimos criar??

beijinho :)

CybeRider disse...

Soraia, isto está a ser muito divertido! :)))

Então queres maior inconsciência que as porcarias que as moscas fazem? Se elas tivessem consciência, tinham outros comportamentos. Talvez comessem de faca e garfo, e lavassem as patitas antes das refeições...

O que chamas criação, em relação aos sonhos são manifestações dos nossos sentidos, da nossa memória e da nossa imaginação. Na realidade, não diferem muito das manifestações de intelecto que usamos no dia a dia. Devem ser feitos da mesma massa. Mas, tal como as que temos acordados, só passam a criações quando as exterorizamos de alguma forma. Até lá são meros projectos.

Mas afinal porque não seria o nosso cérebro capaz de idealizar enquanto dormimos, se o fazemos a toda a hora quando estamos acordados? Isso só prova que apesar de estarmos a dormir, não deixamos de estar vivos.

Digo eu...

Beijinho :)

Soraia Silva disse...

entao diz-me lá...
quando criamos algo, nao é conscientemente? a criaçao nao vem por acaso, é algo pensado.
quando fazemos projectos, tambem nao é por acaso, sao ideias planeadas na nossa cabeça (conscientemente).
o que idealizamos vem atravez de manifestaçoes da nossa cabeça, do cerebro, mas para idealizar temos que ir mais além do que imaginamos, logo ao fazermos isso, fazemo-lo conscientemente...

se idealizar, é faze-lo conscientemente, enquanto dormimos nao idealizamos, porque nao conseguimos fazer conscientemente, ainda nao temos essa capacidade...
lá está, os sonhos devem ter outra explicaçao...

olha lá, sabes como é que os caes (por ex) se secam depois de uma boa molha??? ABANAM-SE... fazem-no inconscientemente?? NAO, porque no mundo deles, eles sabem que é assim a sua forma de se secarem, enquanto nós usamos a toalha... sao vidas diferentes, mundo completamente diferentes.

porque haveriam as moscas de lavar as patas antes de tornar a tocar na porcaria? afinal vao-se sujar outra vez...
ou deixa-me adivinhar, lavariam para que o paladar tivesse outro gosto? eheheh :P


beijinho Cybe :))

CybeRider disse...

Soraia, continuo a não aceitar que exista uma relação entre criação e consciência. Dou-te já um exemplo. O auge de criação humana talvez seja um filho, gostava que me explicasses como é que essa criação surge de forma consciente.

Os cães secam-se dessa forma por instinto. Duvido até que se consiga obrigar um cão a não se secar depois do banho. Seria uma violência tremenda. Isso não é o que eles fazem, é mais o que eles são, não há uma escolha consciente.

Já no nosso caso teríamos escolha para nos protegermos de todas as porcarias que nos impõem no dia a dia, mas corremos riscos porque muitos deles estão relacionados com a nossa integração social, mas tu dizes que o fazemos de forma inconsciente. Para mim é uma relação de risco-benefício, e acho que é muito consciente, todos estamos cientes dos riscos, no entanto preferimos esquecê-los.

Beijinho Soraia :))

Soraia Silva disse...

a minha intençao, nao é fazer-te acreditar no que penso, no que julgo, o que acho, no que acredito.
apenas que leias algo que é diferente de todas as tuas ideias, que leias o oposto do que acreditas.
é bom tambem lermos a outra parte :P

"O auge de criação humana talvez seja um filho..."
olha para te responder a isso, teria primeiro que saber como surgiu o universo, como surgiu Deus, como surgiu a planta, a semente, a terra, o primeiro animal, o primeiro bébé...
se Deus existe, qual surgiu primeiro, Deus ou o universo? as pessoas dizem que foi deus que o criou, outros ficam na duvida se apareceu antes ou depois do universo...
simplesmente recuso-me a acreditar em metade do que acreditam, do que dizem...

e porque é que eu tenho que acreditar que o cao faz isso por instinto? porque nao, com consciencia, mediante o mundo dele, e as opçoes...
ha caes que sabem onde têm que fazer as suas necessidades (foram habituados) outros nao sabem... mas os que sabem, vao ao lugar certo CONSCIENTEMENTE (toma lá, que ja almoçaste :P :P :P)

atençao, que eu nao digo que fazemos as coisas inconscientemente, o que eu digo é que há situaçoes em que nos sao desconhecidas e nós corremos o risco que comer porcaria, tocar em porcaria etc incoscientemente...

tambem nao vou andar a chamar a todo o ser humano, inocente!

beijinho Cybe :))

(so tu para me pores colada ao teu espaço, a ver quando vais responder aquilo que escrevi :P
sou teimosa porra :))

CybeRider disse...

Ó Soraia, só te posso admirar pela tua tenacidade! :)))

Quem me dera que metade do mundo fosse como tu, e que estivesse na disposição de defender as suas ideias desta forma obstinada que francamente admiro.

Nestas teorias não importa quem tem razão, tantas vezes nunca sequer o saberemos, como já referiste várias vezes, mas uma coisa é certa, o empenho que pomos nas coisas faz avançar o mundo, se tivermos a força necessária fazemos com que ele avance no sentido que pretendemos.

Tantas vezes gostaria de ter a tua teimosia para defender os meus princípios. Respeito-te por isso!

Claro que não espero que voltes para refutar cada disparate que afirmo. Mas é um prazer ver que te interessas pelas coisas, que pensas nelas por ti e que não cedes a teorias extravagantes que te tentem impingir.

E claro que tenho que te agradecer muito a motivação que consegues descobrir em ti para voltares e comentares, com essa sinceridade que te é genuína, aquilo que por aqui vou deixando, às vezes na incerteza de cativar alguma ideia de alguém.

O que importa, mais do que as filosofias, é que consigas ser feliz. Pela tua determinação, acredito que estás no caminho certo.

Beijinho Soraia! :)

Deirdre disse...

Tenho (quase) a certeza de já todos tivemos na nossa mão (mente, espírito, alma?) os segredos do universo. Tenho momentos de revelação assim, mas nunca consigo retê-los nem explicá-los (tive um recentemente e vou tentar descrevê-lo no meu blog, mas sem grande sucesso, a avaliar pela reacção de quem me ouviu a falar nele...).
Ainda estou longe de aceitar a mosca na sopa.
Mas... Não podia haver vida parasitária no chocolate? Dava-me jeito que o meu organismo chegasse à conclusão de que eu não precisava mais de comer chocolate, :)

Soraia Silva disse...

ha momentos da vida em que nos conseguimos surpreender a nós mesmos...

o que quero dizer é que posso nao ser perfeita (estou longe da perfeiçao), posso ter bastantes defeitos, mas o que ainda me faz andar de cabeça (bem) levantada, é a minha personalidade... algo que prezo muito!!!

gosto de pensar pela minha cabeça, tirar as minhas conclusoes, apesar de respeitar diferentes das minhas, gosto de ser eu a descobrir que o meu pensamento está errado, apesar de agradecer quem me tenta melhorar... mas há coisas em que nao há mesmo volta a dar, opinioes que nao mudam, às quais carregamos até à nossa morte :)

"Pela tua determinação, acredito que estás no caminho certo."
se por acaso inconscientemente sair dessa rota, mal veja que me perdi pelo caminho, muito rapidamente procuro a rota certa (encontrar é facil endireitar é dificil, mas devagarinho lá ia ao sitio :))


beijinho graaande Cybe =)

CybeRider disse...

Olá Deirdre, sê bem vinda a esta tua casa. (Por ser um brutal lugar-comum não deixa de ser verdade...)

Podemos sempre agarrar-nos ao gravador do telemóvel e registar uns tópicos. Relativamente aos sucessos e insucessos, acho que tens aí um belíssimo segredo do Universo! (Não me esquecerei de ir lá espreitar: http://therawawakening.blogspot.com/)

Não temos de facto que aceitar a mosca na sopa, talvez ela exista mesmo para nos lembrar do que não devamos aceitar.

Quanto à vida parasitária no chocolate... Que zangado que eu iria ficar com o Universo... Mas talvez haja uma razão oculta para o chocolate ser para tantos um prazer sublime de que dispomos.

:)

CybeRider disse...

Soraia, acredita que fico muito contente quando vejo a vitalidade que colocas na defesa dos teus princípios. Isso define que tens de facto uma boa auto-estima e isso é fundamental para estarmos bem com o mundo.

Mas fica atenta porque às vezes as opiniões que julgamos absolutas podem mudar por pequenos factores que nos mostram que andámos enganados, e de repente faz-se luz.

Beijinho grande para ti!

:)